sexta-feira, 24 de março de 2017

A Sabedoria do Tao

Pense no que vai dizer antes de abrir a boca.
Seja breve e preciso, já que cada vez que deixa sair
uma palavra, deixa sair uma parte do seu
Chi (energia). Assim, aprenderá a desenvolver a
arte de falar sem perder energia.

Nunca faça promessas que não possa cumprir.
Não se queixe, nem utilize palavras que projetem
imagens negativas, porque se reproduzirá ao seu
redor tudo o que tenha fabricado com as suas
palavras carregadas de Chi.

Se não tem nada de bom, verdadeiro e útil a dizer,
é melhor não dizer nada. Aprenda a ser como um
espelho: observe e reflita a energia. O Universo é
o melhor exemplo de um espelho que a natureza nos
deu, porque aceita, sem condições, os nossos
pensamentos, emoções, palavras e ações, e envia-nos
o reflexo da nossa própria energia através das
diferentes circunstâncias que se apresentam nas
nossas vidas.

Se você se identificar com o êxito, terá êxito.
Se se identificar com o fracasso, terá fracasso. Assim,
podemos observar que as circunstâncias que vivemos
são simplesmente manifestações externas do
conteúdo da nossa conversa interna.

Não se dê demasiada importância, e seja humilde,
pois quanto mais se mostra superior, inteligente e
prepotente, mais se torna prisioneiro da sua própria
imagem e vive num mundo de tensão e ilusões.

Seja discreto, preserve a sua vida íntima. Desta forma
você se libertará da opinião dos outros e terá uma
vida tranquila e benevolente, invisível, misteriosa,
indefinível, insondável como o TAO.

Não entre em competição com os demais, a terra que
nos nutre dá-nos o necessário. Ajude o próximo a
perceber as suas próprias virtudes e qualidades.

O espírito competitivo faz com que o ego cresça e,
inevitavelmente, crie conflitos. Tenha confiança em si
mesmo. Preserve a sua paz interior, evitando entrar
na provação e nas trapaças dos outros. Não se
comprometa facilmente, agindo de maneira precipitada,
sem ter consciência profunda da situação.

Tenha um momento de silêncio interno para considerar
tudo que se apresenta e só então tome uma decisão.
Assim desenvolverá a confiança em si mesmo e a sabedoria.
Se realmente há algo que não sabe, ou para que não tenha
resposta, aceite o fato.

Não saber é muito incômodo para o ego, porque ele gosta
de saber tudo, ter sempre razão e dar a sua opinião muito
pessoal. Mas, na realidade, o ego nada sabe, simplesmente
faz acreditar que sabe.

Evite julgar ou criticar. O TAO é imparcial nos seus juízos:
não critica ninguém, tem uma compaixão infinita e não
conhece a dualidade. Cada vez que julga alguém, a única
coisa que faz é expressar a sua opinião pessoal, e isso
é uma perda de energia, é puro ruído.

Julgar é uma maneira de esconder as nossas próprias
fraquezas. O sábio tolera tudo sem dizer uma palavra.
Tudo o que o incomoda nos outros é uma projeção
do que não venceu em si mesmo. Deixe que cada um
resolva os seus problemas e concentre a sua energia
na sua própria vida.

Ocupe-se de si mesmo, não se defenda. Quando tenta
defender-se, está a dar demasiada importância às
palavras dos outros, a dar mais força à agressão
deles.

Se aceita não se defender, mostra que as opiniões dos
demais não o afetam, que são simplesmente opiniões,
e que não necessita de os convencer para ser feliz.
O seu silêncio interno torna-o impassível. Faça uso
regular do silêncio para educar o seu ego, que tem
o mau costume de falar o tempo todo.

Pratique a arte de não falar. Tome algumas horas para se
abster de falar. Este é um exercício excelente para conhecer
e aprender o universo do TAO ilimitado, em vez de tentar
explicar o que é o TAO.

Progressivamente você desenvolverá a arte de falar
sem falar, e a sua verdadeira natureza interna substituirá
a sua personalidade artificial, deixando aparecer a luz
do seu coração e o poder da sabedoria do silêncio.

Fique em silêncio, cultive o seu próprio poder interno.
Respeite a vida de tudo o que existe no mundo. Não force,
manipule ou controle o próximo. Converta-se no seu
próprio mestre e deixe os demais serem o que têm a
capacidade de ser. Apenas viva pela via sagrada do TAO.
(Ensinamento de Lao Tsé)

Que todos os seres de todos os mundos sejam felizes...
Um bom dia para você! Com o amor de todo dia, Jane

TUDO É PERFEITO DO JEITO QUE É
Autora: Jane Mary Abreu
Gênero: autoconhecimento

quinta-feira, 23 de março de 2017

Quando se abrem ao Amor, não há nada a esconder

Mensagem de Saul canalizada por John Smallman
17 de março de 2017

A humanidade está despertando! Há muitos sinais aparentes de que isso esteja acontecendo em todo o planeta, sinais claramente visíveis, exceto por aqueles que optam em permanecerem inconscientes ou em negação sobre a verdadeira natureza de sua humanidade – e de que as pessoas sejam seres espirituais imortais numa experiência física temporária e limitada, encarnadas como humanas.

De fato, muitos daqueles que, desconhecendo suas essências espirituais, veem apenas o mundo físico e desejam permanecer implacáveis julgadores daqueles de quem discordam, devido ao seu intenso sentido interior de indignidade, do qual só podem esconder ou escapar projetando suas supostas indignidades nos outros.

No entanto, na medida em que a compaixão pelos outros se torna cada vez mais difundida, aqueles sobre quem procuram, com raiva, projetarem os seus medos, recusam-se cada vez mais a lutar ou a se defenderem. E isto é uma enorme mudança de atitude.

O Amor envolve a todos em cada momento, é a força da vida que flui através de seus corpos, capacitando-os e, mesmo que se neguem ou se recusem a reconhecê-lo, Ele sempre estará com vocês, porque é o que vocês são e nunca poderão estar separados d’Ele.

Esta enorme mudança de atitudes é uma consequência direta de muitos de vocês reconhecerem suas verdadeiras naturezas e abraçá-las. Sim, o mundo em que vivem como seres humanos lhes oferece muitas distrações desta verdade que, em momentos de silêncio, quando reconhecem, intensificam suas consciências delas, dão-lhes a força e a perseverança para enfrentarem de forma competente e satisfatória as questões humanas com as quais todos têm de lidar.

Presentemente, muitos estão se sentindo esgotados porque, na medida que seus problemas centrais surgem para serem reconhecidos e liberados, ficam muito chocados com os pensamentos violentos sem Amor, que surgem em suas consciências. E, então, podem se perguntar de onde eles poderiam estar vindo, já que suas intenções são, apenas, serem amorosos, honrando, respeitando e serem compassivos com os outros e, ainda assim, estes pensamentos estão presentes, encorajando-os a julgar ou condenar aqueles que veem em sofrimento e dor e mesmo aqueles que se sentem orientados a ajuda-los.

Parece insano, muito confuso, até mesmo muito perturbador. E é, mas o jogo de separação que tem sido praticado por muitas eras, tem sido muito violento e cruel. Dentro do coletivo, permanecem e precisam ser libertados aqueles pensamentos de vingança, ressentimento, amargura, desejo de julgamento, condenação e punição daqueles que se envolveram em comportamentos violentos e que são responsáveis por causarem graves sofrimento e dor em outros que, permanecem e precisam ser liberados para a cura do coletivo acontecer.

Isso é o que está acontecendo agora. Em todo o mundo há lugares em que conflito, intensa dor e sofrimento estão acontecendo como resultado da crença de longa data da humanidade, em estar certa e julgar os outros errados, infligindo sofrimento sobre eles para "ensinar-lhes uma lição". Agora, começa a entender que esse tipo de comportamento arbitrário só constrói ciclos infinitos e repetitivos de amarguras e ressentimentos, levando a mais do mesmo, como sua história tão claramente demonstra.

São todos somente Amor. Embora aqueles que estão nos reinos espirituais continuam a lembrá-los, continuam se esquecendo disso e, assim continuamos a, novamente, lembrá-los. Crianças pequenas aprendem por repetição e, em termos espirituais, todos vocês são crianças pequenas e, portanto, precisam ser constantemente lembradas de que todos, sem exceção, são os filhos amados de Deus, até que escolham aceitar essa verdade divina e atuarem a partir dela, em vez do personagem irreal que construíram para apresentar aos outros enquanto experimentam a vida na ilusão.

O personagem por trás do qual muitos se escondem, porque têm medo da aparente fraqueza que uma pessoa carinhosa mostra, precisa ser descartado por ser um mecanismo de defesa que acredita no irreal - na separação.

Enquanto se apegarem a personagens irreais ou máscaras, mais tempo estarão fechados para o Amor que é a verdadeira natureza de cada um de vocês e viverão sub o domínio do medo. Muitas vezes estão cientes das pessoas falsas que outros apresentam ao mundo, enquanto permanecem desconhecendo ou negando o seus próprios Eus, ou acreditam que são seus personagens, como muitos fazem e usam-nos para parecerem adultos, fortes e competentes.

Por outro lado, a maioria de vocês, em algum momento de suas vidas já teve oportunidade de se reunir e foi influenciada, ainda que muito brevemente, por alguém que estivesse vivendo de forma plena e permanente num estado amoroso. Esse encontro deixou sua marca em vocês, que nunca irão esquecê-lo, porque a pessoa parecia ser tão poderosa e estar paz consigo mesma, que transmitiu a todos o desejo possuir esse poderoso senso em si mesmas.

Esse estado está disponível para vocês, se abdicarem de seus personagens, suas máscaras irreais e permitirem que o Amor que são, fluir livremente através de vocês. Quando fizerem isso, irão encontrar paz e contentamento. Somente assim irão encontrar paz e contentamento. Entretanto têm medo de fazê-lo porque acham que serão usados, traídos, atacados ou de outras maneiras feridos ao se abrirem em tal e aparente vulnerabilidade.

O fato é que, uma vez que encontrarem a coragem de experimentá-lo irão descobrir que, ao se permitirem ser aparentemente vulneráveis, de fato são invulneráveis. O Amor não pode ser ferido!

Quando vocês se abrem ao Amor, não têm nada a esconder, são apenas vocês mesmos - abertos, honestos, confiáveis - e todos se sentem seguros e honrados em suas presenças porque seus campos de energia são amorosos em vez de julgadores e ameaçadores.

O processo de despertar é a decisão e a escolha de se libertarem, liberando as falsas máscaras ou personagens distorcidos por trás das quais, coletivamente estiveram escondidos por eras, com medo para serem, apenas e unicamente, vocês. Uma escolha extremamente libertadora a ser feita, porque, uma vez feita e adotada, irão se sentir mais livres do que foram, embora nada às suas voltas pareça ter mudado.

E quando diariamente se recolherem aos seus sagrados santuários interiores para meditar, orar ou simplesmente encontrar um momento de paz, abram seus corações naquele momento para o Amor que lá está sempre presente e peça ajuda para que possa encontrar a coragem de estarem abertos e amorosos, em todos os momentos durante seus dias. Imediatamente sentirão o apoio que lhes será oferecido o tempo todo.

Então, liberem, liberem-se de seus personagens ou máscaras, e do medo que escondem e cumprimentem o mundo exterior com um sorriso e desfrutem da resposta resultante. Todo mundo deseja, apenas, ser aceito e amado e, se cada um sair amorosamente no mundo, tudo que estiverem oferecendo, será refletido cem vezes de volta para vocês.

Com muito Amor,

Saul.

John Smallman
Fonte: http://johnsmallman.wordpress.com/
Tradução: Sementes das Estrelas / Candido Pedro Jorge
http://www.sementesdasestrelas.com.br/

por Fátima dos Anjos

Sawabona

Na África, existe uma tribo que tem um costume
muito bonito, que nos faz pensar sobre a
inutilidade dos julgamentos...

Quando algum membro da tribo faz algo errado,
toda a tribo se dirige com ele para dentro de uma
floresta, onde vizinhos e parentes fazem uma
roda em torno do réu.

Durante dois dias, a tribo vai dizendo tudo que
ele fez de bom até aquele momento. Todas as
suas qualidades são exaltadas em voz alta.

A tribo acredita que cada ser humano vem ao
mundo como um ser bom. Cada um de nós busca
o amor, a felicidade e a paz, tentando de todas
as formas evitar o sofrimento. Só que nessa
busca pelo amor, a felicidade e a paz, cometemos
erros.

A comunidade enxerga os erros como um grito
de socorro. A pessoa se desconectou da Divindade
e agora, após ter se desviado do caminho, está
pedindo socorro.
A tribo então se une para erguê-lo e fazer a sua
reconexão com o Divino, que é a sua verdadeira
natureza. Ao repetir as suas qualidades, eles
o fazem lembrar da verdade da qual ele tinha
se desconectado temporariamente: EU SOU BOM!

Juntos, como irmãos, os integrantes da tribo
se abraçam e repetem: SAWABONA, que significa:
“Eu te respeito e te valorizo. Você é importante
para mim.”

Em resposta a pessoa que acabou de ser recuperada
pela força do amor, diz: SHIKOBA, que significa:
“Então, eu existo para você.”

Todas as atitudes humanas têm um objetivo oculto:
todos nós, sem exceção, queremos e precisamos ser
amados e reconhecidos. Os julgamentos reduzem a
espécie humana e empobrecem a vida. Compreender,
acolher, perdoar e amar de novo são atitudes que
revelam a grandeza de uma alma. Sawabona!

Um bom dia para você...
JaneImagem removida pelo remetente.
TUDO É PERFEITO DO JEITO QUE É
Autora: Jane Mary Abreu
Gênero: autoconhecimento

Do Não ao Sim - Prem Baba

"Pergunta: Amado Prem Baba, como podemos saber qual é a nossa missão de vida? Como realizá-la? Eu já experimentei fazer diversas coisas. Já li muitos livros espirituais e sobre autodesenvolvimento, e estudei muitos assuntos.


Pratico yoga, e agora estou tentando aprofundar no caminho espiritual praticando mais meditação e introspecção, mas não consigo ver claramente qual é o meu caminho. Sinto que não consigo estabelecer real conexão entre o meu coração e o Eu divino.

Prem Baba: Em outras palavras você está me perguntando: Qual é o programa da minha alma? Por que eu vim para esse mundo? Qual é a razão para eu levantar pela manhã? Como trilhar o dharma?

Somente o amor pode lhe responder tais perguntas. Somente quando o amor é iluminado em algum grau, você tem acesso a essas respostas.

Você está à procura de paz. A paz é o florescimento do dharma.
Quando você está trilhando o dharma, você experiencia paz. Enquanto você não está trilhando o caminho do coração, a sua mente é constantemente perturbada por ansiedades, angústias e questionamentos a respeito do jogo divino.
Você pode até ter momentos de felicidade, através da conquista disto ou daquilo, mas a paz, que é a mais elevada das virtudes, só lhe visita quando você está trilhando o caminho do coração; quando você já iluminou o amor em algum grau e já pode se doar. Enquanto não surgir essa fagulha do autêntico altruísmo, você não pode reconhecer seus talentos e dons.

Você até pode estar, de alguma maneira, com esses dons ativados, e pode até já estar trabalhando com eles, mas você não tem a percepção de estar no caminho certo; ainda não tem o sentimento de completude, porque o egoísmo ainda está no comando. Enquanto o egoísmo estiver no comando, você vai carregar perturbação e sofrimento.

Para que o amor seja iluminado e você tenha a disposição de se doar (o que possibilita obter a percepção dos seus dons e talentos, e com isso ter a paz de sentir-se pertencendo, e a paz de sentir-se ocupando o seu lugar no mundo), você precisa de um mestre espiritual.

Mova-se em direção ao real. Comprometa-se com a verdade. Bata na porta da verdade, e ela se revelará para você. Você está começando a bater na porta da verdade.

Você está perguntando: O que eu vim fazer aqui? Qual é o programa da minha alma?

Você está buscando nos livros, nas práticas de yoga e começou a buscar dentro de você. Você está no caminho certo. Agora, direcione a sua oração, para que o seu mestre se revele para você; para que o seu guru apareça.

O buscador direciona todos os esforços para receber a verdade. Quando já está suficientemente cansado da mentira e da ilusão, ele pede para que o mestre apareça. É a Graça do Mestre que remove as capas que encobrem o Eu verdadeiro e ilumina o amor e o autêntico altruísmo, ou seja, a sua capacidade de se doar desinteressadamente.

Quando esse desejo de ver o outro feliz é verdadeiro, e você quer se colocar a serviço, e coloca-se realmente a serviço, você começa a ter acesso a essas respostas.

A paz é uma consequência da verdadeira doação. Só o Ser pode se doar autenticamente. Essa doação sincera nasce da presença – nesse lugar, todas as suas perguntas são respondidas.

Não se desvie da meta.(...)

O “sim” total para a vida é o resultado da iluminação do “não”. Enquanto não se está perfeitamente iluminado, você carrega um “não” dentro de você. Esse “não” é como um demônio. Ele é um gerador de destruição. Ele vai criar situações e mais situações; vai gerar muita imaginação, para comprovar as suas teorias e continuar no comando do seu sistema. Esse “não” está a serviço do sofredor, que precisa gerar sofrimento para continuar vivo. Ele gera sofrimento através do “não”. O “não” é o sabotador da felicidade. Ele faz com que a sua visão fique conectada com o escuro. Você só vê erro nas coisas. Você só vê defeito. Você não é capaz de ver a luz em nada, portanto não pode agradecer. Se não pode agradecer, você não pode subir.

Em algum momento, esse “não” precisa ser iluminado. E o primeiro movimento de iluminação do “não”, é a percepção dele. Essa percepção representa um momento crucial da jornada evolutiva. Eu não estou falando de algo subjetivo, mas de algo concreto como uma pedra. Há que se diferenciar as emoções e sentimentos negativos, da intencionalidade negativa.

Uma coisa é você perceber que fica enciumado, que tem inveja, raiva, luxúria, cobiça… Mas, saber que você é canal desses sentimentos, ainda te coloca como uma vítima. Você ainda debita para o mistério, para o desconhecido, o porquê de você ser um canal dessas forças. É diferente de quando você descobre que dentro de você tem uma voz que diz: “Eu quero odiar; eu quero ser rancoroso; eu quero continuar isolado e separado”. Há que se identificar que existe essa voz, e que existe uma intenção de se aferrar ao mal. Existe um “eu” que quer ver tudo escuro porque gosta da escuridão. Existe prazer no escuro. Esse é o primeiro passo para o “sim”.(...)

Porque você está no mundo de maya, e as forças contrárias que agem contra a evolução são muito intensas. O ‘eu’ sofredor é muito poderoso, não o subestime. Se você abre uma pequena porta, ele te pega, porque você é pego pela dúvida. Uma semente de dúvida é o suficiente para gerar uma grande confusão na sua mente.(...)

A iniciação espiritual é uma coisa séria. Nós estamos lidando com forças atômicas. Não é somente a dissolução do karma negativo, mas também a reeducação de todas as entidades espirituais que estão atreladas a esse karma. Tem muita gente que não quer que você suba – pessoas dentro de você, que também se refletem fora. O que está fora é somente o reflexo do que está dentro.

Essas forças que não querem a realização, a prosperidade, a saúde, a alegria, a união… Elas estão dentro de você. E é esse “não” interno que atrai as situações fora. É o que sintoniza a sua mente e a sua visão com o negativo. Se não tem nada de negativo, você inventa para poder não acreditar e não subir. Assim é o “não” interno. É uma palavra tão pequena, são três letras – “não”. No mundo dos conceitos e das palavras, é o que mais se aproxima da realidade, mas é muito mais do que isso. Ele é uma entidade que tem autonomia – é um demônio interno, que te leva sempre para o oposto do que o “sim” consciente quer para você.

Conscientemente o seu “sim” quer o quê? Saúde, prosperidade, alegria, união, paz, etc. O “sim” é a verdade em si mesma. A corrente afirmativa se move em direção ao que é bom, alegre e prospero. Mas, a corrente de negação foi sendo criada ao longo do tempo, encobrindo essa corrente afirmativa. Esse “não” foi criado a partir de uma dor – quando você foi impedido de ser você mesmo. Isso é fruto do trauma da separação do seu Ser. Foi quando você perdeu a espontaneidade e a liberdade de ser você mesmo. Com o tempo, ele (o “não”) foi ganhando força e autonomia. Ele vai gerando infelicidade e sofrimento, até que em algum momento você se vê cansado, e começa a querer bater na porta da verdade para poder ter respostas para essas questões.

Você começa com os livros, com as práticas diversas. Você começa a meditar… Até que amadurece o suficiente para pedir que o seu Guru apareça, e conceda-lhe a Graça que vai iluminar a sua visão e vai transformar o “não” em “sim”.

Esse processo do “não” para o “sim” – que é o mesmo que o processo da mente para o coração; do medo para confiança, do ódio para o amor, do egoísmo para o altruísmo; do estado de separação para o estado de união… Têm desafios. Por quê? Porque você se apegou ao egoísmo e aos seus jogos. Você se apegou à sombra e seus jogos.

Mesmo que você já tenha dado um passo em direção ao “sim”, a ponto de ter tido a Graça de ter recebido seu Mestre e uma iniciação espiritual, às vezes aí é que começa um trabalho mais profundo de purificação. Há que se ter disposição de continuar a jornada. Tenha firmeza. “Força para seguir, fé para não esmorecer, luz para enxergar e amor para agradecer”.

Dessa maneira vamos, pouco a pouco, atravessando o processo de purificação. Às vezes é mais fácil, porque as camadas que encobrem o Ser não são tão grossas, e às vezes é difícil, porque as camadas que envolvem o Ser são muito grossas.(...)

Em algum momento, o véu da separação cai, e você percebe que não tem diferença entre o que está dentro e o que está fora. Muitos deixam o seu altar limpo, mas o arredor fica sujo.(...)

Essas são as duas fases da jornada. A primeira fase é o trabalho de crescimento pessoal. É o trabalho de cura do sabotador interno, que é o que desimpede a corrente afirmativa. Você tem a sensação de que está crescendo, e vai se sentindo cada vez maior.

O orgulho vai se transformando em humildade; a luxúria em devoção; o medo em confiança… Você vai se sentindo cada vez maior. Isso se dá através de um processo de autoinvestigação, que possibilita a purificação e a transformação do ‘eu’ inferior. Isso envolve fazer a relação de causa e efeito; envolve curar as feridas da alma. Isso envolve limpar as mágoas e ressentimentos acumulados no sistema, o que em síntese, significa se libertar do passado. Enquanto você não ilumina, você continua reeditando a ferida.

Mas, por mais importante que seja esse trabalho de purificação, ainda não é a parte mais importante. Somente quando você progrediu suficientemente nessa fase, é que você pode partir para outra, que é a ativação da consciência maior, que é a sua capacidade de se doar.

Na verdade, essas etapas não são separadas, elas se mesclam. Mas, enquanto houver o que purificar, você não consegue sustentar o êxtase da presença; a paz de se doar.(...)

Abençoado seja cada um de vocês.
Que o “sim” para a realização seja iluminado."
Prem Baba em Satsang

Ventos da Paz

O sentido espiritual de um relacionamento amoroso - Prem Baba

O sentido espiritual de um relacionamento amoroso, tirando todo o romantismo, é ser um material de escola que te ensina a amar, a ser livre e a deixar o outro livre. Quando eu digo “ensinar a amar”, uso uma figura de linguagem, porque não é possível aprender a amar – o amor já existe, ele é a fragrância do ser. Mas a relação afetiva gera uma fricção que possibilita remover obstáculos que te impedem de amar. Esse é um assunto bastante delicado e as chances de eu ser mal compreendido são tremendas, mas vamos tentar. 

Existem certas lições que você só pode aprender com suas relações amorosas, porque elas são catalizadoras de todas as suas feridas, de tudo aquilo que não está integrado dentro da sua constelação familiar. Todo seu passado é reeditado na relação amorosa para que você tenha a chance de integrá-lo, de curar essas relações familiares que ainda estão, de alguma forma, infringindo dor no seu sistema.

Embora o relacionamento amoroso seja um poderoso instrumento de aprendizado e de cura, ele pode também te levar a um sono. Nesse sentindo, você pode estar apenas repetindo determinados padrões destrutivos (apegos, disputas, projeções, medos) e andando em círculos, deixando de se expandir e crescer. Há que se ter discernimento e sabedoria para identificar quando isso ocorre.

O objetivo maior de um relacionamento amoroso é sustentar o êxtase. É sustentar a conexão da energia sexual com o coração aberto: o encontro de duas correntes positivas, dois sins. Esse encontro aponta a direção da suprema liberdade e só é possível se existir amor e liberdade.

Portanto, isso que eu tenho chamado de novo casamento, não costuma chegar cedo na vida, porque requer certa maturidade, uma compreensão e inclinação para deixar o outro livre – livre inclusive para não te amar se ele não quiser. Essa é a prova final dessa iniciação chamada relacionamento amoroso.

Eu o vejo como uma iniciação espiritual. Você só completa esse ciclo iniciático quando supera a carência afetiva, ou seja, quando se liberta da insegurança, do ciúme e da possessividade. Só assim você consegue de fato, ser livre e deixar o outro livre. Por sua vez, podemos entender a relação amorosa como o próprio remédio para a carência. Dependendo da sua carência, você precisa ficar um tempo X dentro de uma relação ou às vezes precisa ficar sozinho. Não tem uma receita. Isso tem que ser sentido por você – o que você está precisando no momento.

Às vezes você não consegue perceber porque está cego pela própria carência. Por exemplo, você pode estar precisando ficar um tempo sozinho, mas sua carência ainda está tão grande que você não quer sequer parar para pensar se a relação em que você está tem te feito crescer ou se dentro dela, você está apenas andando em círculos, machucando e sendo machucado.

Quando a relação se torna eminentemente destrutiva, sem chances para crescer no amor, na liberdade e no perdão, você tem que ter a coragem de tirar umas férias. Tem que ter coragem de olhar de frente para isso e explorar o medo que talvez você tenha de ficar sozinho. Eu não estou incentivando a separação! Eu estou incentivando você a encarar a verdade; a ser honesto com você e com o outro.

Muitas vezes, você mantém seu relacionamento para poder ter onde projetar suas ilusões. O outro é uma tela em que você projeta seus sonhos e quando ele quer deixar de ser essa tela ou quando você sente que não está mais conseguindo projetar seu sonho nessa tela, você acaba com o relacionamento. Mas você fica ansiosamente aguardando o momento de encontrar outra tela para continuar projetando o seu sonho. Outras vezes, você mantém o seu sonho fazendo do outro um escravo para atender os seus caprichos. Você força o outro a te amar, porque acreditou que se ele fizer do seu jeito, ele te ama. Não se engane: isso significa aprisionar o outro.

Vou te passar uma lição de casa. Se você está com alguém, comece a se perguntar: por que estou nessa relação? O que me mantém aqui? Não tenha medo de ser honesto consigo mesmo. É só a mentira que cai, a verdade nunca cai. Se o que te mantém nessa relação é o amor a Deus e à liberdade é porque você está se expandindo na luz; está crescendo dentro do programa estabelecido pela sua alma. Se for assim, zele por essa relação, firmeza no amor, no perdão, na liberdade e siga em frente. Mas se você está na relação por outras razões, tenha coragem para olhar o que te mantém aí. 
Dê essa passo a seu favor. Estou querendo que você rompa com a mentira e siga se expandindo."
Sri Prem Baba em Satsang

Ventos de Paz